Catalisadores evitam emissão de até 110 kg de gases tóxicos por ano no Brasil

Regional website Brazil

Veículos poderiam poluir de cinco a dez vezes mais caso não tivessem o componente obrigatório de fábrica

De acordo com um estudo do Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA), os veículos equipados com motores a combustão são responsáveis por uma parte significativa da poluição do ar no Brasil, correspondendo a 72,6% do total das emissões de gases tóxicos. A preocupação e o foco em soluções para o controle desses gases, portanto, são essenciais.

Com este objetivo, o catalisador é o principal componente do sistema de emissões dos veículos e é responsável por converter até 98% desses gases tóxicos em substâncias inofensivas à saúde. A peça transforma HC (hidrocarbonetos), CO (monóxido de carbono) e NOx (óxidos de nitrogênio) – gases provenientes do motor à combustão - em vapores que não prejudicam o meio ambiente e a saúde, como H2O (água), N2 (nitrogênio) e CO2 (gás carbônico). 

Um estudo da Umicore, multinacional belga que atua na área de metais e mineração, revela o montante evitado de transmissão de gases tóxicos nos últimos 29 anos (de 1992 a 2020) com o uso de catalisadores. Exigido pelas legislações ambientais no mundo inteiro, no Brasil o uso do catalisador tornou-se obrigatório a partir de 1997, por determinação do PROCONVE (Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores),  e já evitou a emissão de 53,5 milhões de toneladas de CO, 11,4 milhões de toneladas de HC e 3,4 milhões de toneladas de NOx na atmosfera brasileira.

Sem a peça, os veículos poluiriam, em média, de cinco a 10 vezes mais.

“A função do catalisador é de extrema relevância para o meio ambiente e para a saúde. Cada catalisador evita que cerca de uma tonelada de material poluente alcance o ambiente durante a sua vida útil, que varia de 10 a 15 anos. Isso equivale a 110 quilos de gases tóxicos evitados por ano ou 300 gramas por dia para cada veículo”.
Stephan Blumrich, vice-presidente e diretor da Umicore Brasil


Motorista deve se atentar às revisões

Os motoristas também podem contribuir no combate às emissões, garantindo o bom funcionamento do catalisador, com revisões periódicas no sistema de exaustão para detectar e solucionar problemas, como rachaduras, amassados, vazamentos e furos nos componentes. “Além do catalisador, é importante ter atenção com outros sistemas do automóvel que influenciam na exaustão de gases poluentes, como o de ignição, que engloba velas, cabos e bobinas; o de arrefecimento do motor; e, por fim, o sistema de alimentação de ar e combustível”, ressalta o executivo da Umicore. 


Sobre a Umicore

A Umicore é um grupo de tecnologia de materiais e reciclagem. A empresa foca suas atividades em áreas de aplicação, nas quais seu conhecimento na ciência dos materiais, química e metalurgia faz a diferença. As atividades são organizadas em três grupos de negócios: Catálise, Energia e Tecnologia de Superfície e Reciclagem. Cada área é dividida em unidades de negócios direcionadas ao mercado, oferecendo materiais e soluções que estão no topo de novos desenvolvimentos tecnológicos e que são essenciais no dia a dia.  A Umicore investe a maior parte de suas receitas e dedica seus esforços de P&D para materiais de mobilidade limpa e reciclagem. O objetivo da empresa de criar valor sustentável baseia-se em sua ambição de desenvolver, produzir e reciclar materiais de forma a cumprir sua missão: “Materiais para uma vida melhor”. As operações industriais e comerciais da Umicore, assim como as atividades de P&D, estão localizadas em todo o mundo para melhor atender sua base global de clientes. O Grupo gerou uma receita de vendas de EUR 17,5 bilhões em 2019 e atualmente conta com 11.152 colaboradores.